Dicas de alimentação por Nicole Rombach

6 04 2008

Nesta época do ano a maioria dos cavalos de competição já se encontra em plena atividade e, com o aumento da carga de trabalho, o programa alimentar de cada cavalo deve ser avaliado criteriosamente para garantir que ele esteja recebendo a nutrição correta que lhe forneça energia suficiente para suportar sua carga de exercícios.

Entre os muitos mitos relativos à nutrição eqüina há o que apregoa que um cavalo deve receber mais ração quando trabalha de forma mais dura. Embora isto seja verdade, é importante lembrar que o cavalo, como animal que pasta, deve receber uma quantidade correspondente de fibra através de várias forragens, a fim de equilibrar seu sistema gastrintestinal relativamente delicado. O cavalo deve consumir pelo menos metade do peso de sua alimentação total em fibras, a fim de reduzir o risco de distúrbios como cólica e laminite.

Há uma regra básica, porém efetiva, para calcular a quantidade total de alimento que o cavalo deve receber, junto com um método para determinar a proporção entre ração e fibra ou forragem.

A quantidade máxima diária de alimento que o cavalo deve receber fica entre 2% e 2,5% de seu peso corporal total. O ideal é que esta quantidade gire em torno de 2%: a quantidade maior só deve ser aplicada a cavalos que tenham uma verdadeira dificuldade de manter peso.

Um cavalo de 500kg deve receber uma quantidade total de alimentode 10kg por dia.

A parte interessante de definir um programa alimentar individual começa agora

• Para um cavalo com nível leve de atividade, a proporção entre forragem ou fibra e ração será aproximadamente de 70% a 30%. Este cavalo receberia idealmente 7 kg por dia de alimentos fibrosos e 3 kg de ração.

• Um cavalo com nível médio de atividade (trabalho diário de cerca de 60-90 minutos, sobretudo exercícios aeróbicos com um pouco de condicionamento anaeróbio) receberia uma proporção em torno de 50-50% – 5 kg de ração, 5 kg de fibra. Este é o cálculo alimentar ideal para a maioria dos cavalos de competição. Antes das competições isto pode ser alterado para 6 kg de ração por dia, o que porém deve ser reduzido após a realização do evento atlético.

• Cavalos com nível alto de atividade, como no caso dos de corrida, podem receber até 8 kg de ração por dia; mais do que isto não é recomendável, já que o sistema intestinal do cavalo não é preparado para digerir ração sem a adição de fibras suficientes para assegurar o bom funcionamento gastrintestinal. Fornecer ração sem o concomitante acesso contínuo a fibras pode afetar o movimento peristáltico e causar constipação intestinal.

Diante dos vários tipos de rações industrializadas no mercado, é importante descobrir o conteúdo exato de cada uma. A maioria das misturas prontas contém uma proporção de proteínas, lipídios e carboidratos. Muitas contém ainda minerais e micronutrientes como diferentes vitaminas, cálcio, fósforo, sódio, ferro, magnésio, zinco, potássio e outros.

O conteúdo de proteína deve ser monitorado e pode variar entre 10% e 15%. A energia produzida pela proteína leva a um aumento de temperatura maior do que o gerado por carboidratos ou gorduras, assim elevando o calor corporal, a transpiração e a perda de eletrólitos. Para cavalos mais novos é imperativo manter o conteúdo de proteína o mais baixo possível, pois uma concentração excessiva tem sido ligada a distúrbios como osteocondrose.

Lipídios ou gorduras extras podem ser incluídos na dieta, no caso de haver necessidade de mais energia ou para manter o peso e o condicionamento. Óleo de milho é um aditivo útil.

Cereais como aveia tem alto conteúdo de amido, de forma que sua inclusão na alimentação fornecerá energia extra, já que são absorvidos como glicose simples. Ao usar uma ração industrializada, verifique o conteúdo de carboidratos antes de adicionar mais cereais à dieta.

SUPLEMENTOS ALIMENTARES

Para o cavalo atlético, o equilíbrio dos eletrólitos é extremamente importante. Há muitos suplementos de eletrólitos disponíveis, mas um meio simples e barato de adicionar eletrólitos à alimentação é usar 3 partes de cloreto de sódio (sal) e 1 parte de cloreto de potássio, e oferecer 1-4 colheres de sopa por dia, dependendo do esforço atlético.

No caso de atividade pesada, adicionar vitamina E e selênio evitará afecções do tecido muscular (miopatia).
Administrar um bom suplemento probiótico pode ajudar a performance atlética e é recomendável durante longos períodos de viagem ou para cavalos propensos a cólica ou outros distúrbios gastrintestinais.

DICAS DE ALIMENTAÇÃO

• Divida a alimentação (ração) em 3 ou 4 doses por dia
• O ideal é não administrar fibra e ração juntas: o tempo entre uma e outra deve ser espaçado
• Mantenha fibras disponíveis e em uma base intercalada (feno, capim, alfalfa)
• Deixe as fibras ou gramíneas ao alcance do cavalo no solo: colocar os alimentos em manjedouras altas presas às paredes pode causar problemas de postura e dentários devido ao desgaste irregular das superfícies de mastigação
• Ao viajar por longas distâncias, o cavalo deve ter acesso a forragem durante o percurso
• Administre vermífugos regularmente para evitar problemas gastrintestinais
• Verifique regularmente os dentes do cavalo: o ideal é a cada seis meses, o mínimo é uma vez por ano
• Sempre tenha água fresca por perto
• Reavalie regularmente o programa alimentar
• No dia de folga, ou quando o cavalo vai para férias ou quando ele não pode trabalhar como normal, não esquece de diminuir o ração e aumentar a quantidade de fibras
• Introduza variações na alimentação! A maioria dos cavalos gosta de comer frutas e, embora elas contenham muita água, sua base de matéria seca é comparável à dos grãos.

O artigo foi escrito pela profissional de Quiropraxia, Nicole Rombach; Nicole Rombach -PG AM, APM, MEBW, CBW, MIPTI

President, Equinenergy/Caninenergy Ltd. UK/Brazil
office@equinenergy.com
http://www.equinenergy.com

About these ads

Ações

Information

5 responses

28 08 2008
geise

Eu gostaria de saber os valores em R$ da alimentação diária de uma égua mangalarga e de potros de até dois anos e a quantidade a ser fornecida.
Obrigado

25 09 2008
blogcourage

Olá Geise,

Os valores podem variar muito, de acordo com o que temos naturalmente disponível, com os objetivos de cada animal e com a quantia que se quer destinar aos cavalos.

Para uma égua que se encontra trabalhando, podemos administrar até 6 quilos de ração. Já se ela estiver apenas em manutenção uma quantia de 3 quilos, mais um bom complemento de verde se fazem suficientes.

O importante é entender que apesar de termos uma média, cada animal é diferente do outro, tem peso e estruturas diferentes o que deve diferenciar as dietas de cada um.

Com relação aos potros, sempre que puderem ser criados soltos, em pastos, é preferível para o desenvolvimento muscular e ósseo dos mesmos. Também é interessante que eles tenham acesso a bastante verde (capim) e de preferência de diferentes tipos, pois eles fornecem nutrientes diferentes uns dos outros. Por exemplo, existem haras que têm até 6 tipos diferentes de capim e os animais são rodiziados de 25 em 25 dias ou quando o capim já estiver “batido”.

Com relação às quantidades de ração para potros, podem variar de 1kg até 4kg. Uma boa consulta, de volume a ser administrado, é nos próprios sacos de ração que o cavalo consome, pois o fabricante sugere de acordo com os ingredientes e porcentagens a quantidade é ideal.

Uma regra básica é nunca misturar ração com capim ou feno no trato dos animais. Cada um separado do outro. A nossa preferência é sempre pela ração primeiro, mas não é uma regra, desde que não sejam juntos.

Espero que tenha ajudado.

Abraço
equipe Courage

9 02 2009
Diego

Olá! tenho um cavalo q está treinando vaquejada e aqui na minha região tem farelo de soja, farelo de trigo e milho. Poderia formular uma ração com esses ingredientes para cavalo de esporte? Pois a ração comercial aqui é muito cara, que é a peletizada, fica inviavel o esporte pra mim assim. Quantos % de milho, soja, trigo e sal mineral para esse meu cavalo posso misturar para sair uma ração mais em conta? É um cavalo de mais de 450 kg, da raça quarto-de-milha puro. Por favor me ajude!!!! Ficarei muito agradecido!!!

9 02 2009
Diego

“3 partes de cloreto de sódio (sal) e 1 parte de cloreto de potássio, e oferecer 1-4 colheres de sopa por dia,”

Posso fazer essa mistura com 150g de cloreto de sódio+50g de cloreto de potássio e adicionar em 200ml de água? E posso administra-la depois do treinamento do animal?

Muito agradecido!!!!!

10 02 2009
Diego

“3 partes de cloreto de sódio (sal) e 1 parte de cloreto de potássio, e oferecer 1-4 colheres de sopa por dia”

Posso usar 150g de cloreto de sódio + 50g de cloreto de potássio e adcionar em 200 ml de água?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: